REALIZAÇÃO: COLHEMOS OS FRUTOS DO QUE PLANTAMOS

Adriana Marinho


Você já desfrutou do sentimento de realização? Saberia descrever a satisfação que sente quando vê pelo menos uma parte dos frutos de todo seu trabalho e empenho? Esse sentimento te alimenta de alguma forma? E depois de colher os frutos, o que você faz?


Podemos comparar a realização de um projeto à etapa final do trabalho na lavoura: a safra. A colheita só vem se as sementes forem plantadas. Mas o plantio somente não garante a colheita de bons frutos. É preciso preparar a terra, arar, fertilizar, dispor adequadamente as sementes, regar e proteger os brotos das pragas e das agressões externas. Pode parecer simples, mas o trabalho empreendido desde a semeadura até a colheita é exaustivo.


Da mesma maneira, para alcançar os nossos objetivos não há outra receita senão muito trabalho e empenho. Os nossos projetos e os nossos desejos só são realizados quando nos entregamos de corpo e alma ao trabalho. Precisamos preparar um cronograma, planejar nossas ações, conhecer os riscos para evitá-los, trabalhar, trabalhar e trabalhar mais um tanto, sem perder de vista o objetivo que pretendemos atingir.


Com o passar do tempo, se houver muita dedicação, poderemos começar a visualizar pequenos frutos no meio da folhagem. Nesse ponto eles ainda não estarão prontos para a colheita, mas já nos encherão de satisfação e alegria. Com um pouco mais de paciência e trabalho eles estarão perfeitos, como sonhamos!


Hoje me encontro nesse estado de contemplação dos primeiros frutos. Depois de dedicar muito do meu tempo e de trabalhar incessantemente, estou muito feliz por desfrutar do sentimento de realização. Ter a minha própria empresa, trabalhar com as mentorias, e agora, com o lançamento dos meus dois primeiros e-books, posso dizer que estou bem perto de me sentir completamente realizada.


Sei que há ainda muito trabalho a fazer, mas ver esses primeiros frutos me enche de alegria e de vontade de continuar a fazer o que amo, por mais que isso me custe tempo, dedicação, estresse e, muitas vezes, abdicação de outras tarefas pessoais ou familiares. Mas dos frutos que eu colher, uma coisa é certa: vou separar boas sementes para reiniciar o plantio!



Redação: Intertexto

5 visualizações0 comentário